domingo, 28 de abril de 2013

Grande Cidade


A grandeza tem seu preço, e isso uma cidade grande pode nos contar. Diferentemente das cidades pequenas, que nos convidam a olhar à nossa volta, as grandes cidades nos convidam (ou nos obrigam) a olhar para cima, fazendo da verticalidade seu novo horizonte.

E ao olharmos para cima, percebemos a grandeza de suas construções em comparação com a pequenez de nossos corpos, tão apressados e famintos por novidades a serem consumidas sem muita demora. Pequenos corpos imensos em desejo.

Porque em grandes cidades sempre queremos mais: mais amor por favor, mais paz por favor, mais educação por favor. É um pedido um tanto difícil, pois afinal, grandezas não reconhecem favores.

Nas grandes cidades o tempo passa mais rápido e o dia dura menos. As calçadas, quando imensas, tornam-se pequenas e apertadas. A agilidade garante o espaço e a política do “don´t look back” impera como uma saída satisfatória, menos para aquele que vem logo atrás, pensando da mesma maneira. Uma hora ou outra, a porta bate na cara de alguém.

Pode bater violentamente, e a violência não surpreende nas grandes cidades, pelo menos não surpreende mais que a gentileza. É impossível saber qual delas é capaz de paralisar com maior intensidade. A gentileza gera a mesma perplexidade que a violência um dia gerou quando a cidade ainda era pequena.

E então plantamos flores, para reviver a delicadeza que tivemos,
Adotamos cachorros, para experimentar a fidelidade que perdemos,
Rezamos, para sentir a proteção que quando pequenos sentíamos,
Como no tempo em que a cidade era pequena, interior e especialmente particular.

Obs.: escrevi este texto pensando em como seria curioso se existisse um programa aos moldes do “Brasil Urgente”, mas ao invés de noticiar as mostruosidades humanas, destacasse as gentilezas do cotidiano de uma cidade (risos)... seria igualmente urgente.

3 comentários:

  1. Adorei Bruno. Sensível, sutil e inteligente, como sempre.

    ResponderExcluir
  2. Obrigado Lígia. Fico feliz que tenha gostado. Escrevi este texto pensando nas cidades que conheci... e na cidade pequena que ainda "teimo" em administrar!

    ResponderExcluir