terça-feira, 12 de abril de 2011

Despedida

Ás vezes as despedidas se apresentam como um disparate à nossa capacidade de acreditar que os outros são nossos por direito. Quando alguém se despede, direta ou indiretamente demonstra que por mais envolvidos que possamos estar, existe um limite marcante entre aquilo que somos e aquilo que o outro é, para si e também para nós.

Talvez tenha a ver com um pesar de expropriação, mas de algo que nunca foi nosso de verdade.

Algo que talvez nunca o será.

Nenhum comentário:

Postar um comentário