domingo, 27 de junho de 2010

A cidadania do futebol

Brasil: país de desigualdades sociais gritantes. Fome e violência numa das maiores economias do mundo. População parcialmente alienada, na qual muitos sustentam a corrupção na política e a truculência da polícia.

A pena de morte não existe, oficialmente. Na cultura da população, porém, sobrevêm a idéia de que alguns são matáveis, alguns são despresíveis e alguns são desacreditáveis.

Mas na copa do mundo, pelo menos por algumas semanas, o verde e amarelo de nossa insignificante bandeira pinta um rascunho de cidadania possível: um sentimento fraternal que supõe que todos somos um só.

O Brasil então, coloca os pés no chão. Pena que para isso é imprescindível um par de chuteiras e uma bola no meio.